O estado do Rio Grande do Sul é bastante conhecido pelos brasileiros por sua vasta produção de vinhos. Lá concentram-se a maioria das vinícolas do país, principalmente devido às suas condições climáticas, mais favoráveis para a vitivinicultura (produção de uvas e vinhos).

Além de suas temperaturas e solo propícios, outro fator que contribui para sua acelerada evolução e desenvolvimento na arte de fazer um bom vinho foi a influência cultural. Muitas cidades das regiões que abrigam maior parte das vinícolas, como a Serra Gaúcha, foram colonizadas por imigrantes europeus, principalmente italianos, trazendo a paixão pelo vinho de geração em geração.

Além da Serra Gaúcha, que detém 85% da produção nacional de vinhos e quatro áreas certificadas do país: Vale dos Vinhedos (que tem Denominação de Origem para seus vinhos), Pinto Bandeira e Monte Belo do Sul (que têm a Indicação de Procedência) e Altos Montes, existem mais três subregiões de destaque. São elas: Campanha Gaúcha, localizada quase na fronteira com o Uruguai e com alguns dos vinhedos mais antigos do Brasil; Serra do Sudeste, que teve seu potencial descoberto nos anos 1970; e Campos de Cima da Serra, onde as baixas temperaturas e o vento constante tornaram-se diferenciais na produção de uvas com maior concentração de aromas e sabores.