O ambiente ameno da serra e a localização em um vale próximo ao rio Paraíba do Sul tornam o terroir da Fazenda da Quinta propício para o cultivo da cana orgânica e para a fermentação natural com leveduras cultivadas na propriedade, dois fatores determinantes para a qualidade da cachaça Da Quinta. Em 1923, Francisco Lourenço Alves, imigrante português, comprou a propriedade e investiu em melhorias no processo de produção da cachaça que já era fabricada no local. Seu filho, José Ramos Alves, e hoje sua neta, Katia Alves Espírito Santo, continuaram aprimorando a produção, unindo tradição familiar aos avanços tecnológicos disponíveis, como a seleção de leveduras. A produção anual é de 100 mil garrafas, comercializadas em diversos estados brasileiros e no exterior.